sexta-feira, 23 de setembro de 2016

GONDAR: UMA TERRA COM TRADIÇÃO VITIVINÍCOLA

Gondar afirma-se, hoje, como uma das grandes referências de Amarante na produção de vinho verde.
"Vindima" - anos 50 (fotografia de Eduardo Teixeira Pinto)

Localizada num profundo vale, entre as elevações montanhosas de Carvalho de Rei e de Bustelo e com uma excelente exposição solar, Gondar beneficia de um micro-clima que proporciona às uvas excelente maturação e, consequentemente, vinhos de ótima qualidade.
Estas condições climáticas e geo-morfológicas foram aproveitadas pelos nossos ancestrais para incrementar o cultivo da vinha e do vinho. A existência de alguns lagares escavados na rocha, que remontam, muito provavelmente, à época medieval, são testemunhos dessa realidade. Um deles, o da Tapada / Saída, encontra-se, ainda, em bom estado de conservação e permite-nos extrair algumas conclusões sobre a forma como os vinhos eram elaborados.

Lagar do Tapado (Gondar - Amarante)

O lagar é constituído por dois tanques de pisa que comunicam, respetivamente, com dois pios, localizados a uma cota inferior, para recolha do mosto. De cada lado dos tanques, existe uma outra estrutura, menos profunda, onde se instalava a prensa. À volta do conjunto, vários entalhes na rocha indiciam a montagem de uma estrutura de suporte de uma cobertura ou alpendre. A existência, lado a lado, de dois tanques e duas pias permitia o funcionamento, em simultâneo, de duas pisas, do mesmo ou de diferentes proprietários.
Existe um outro lagar do mesmo tipo, embora mais pequeno, no lugar de Aldeia.
Uma das grandes questões que se coloca a este tipo de estruturas é o da sua datação. A falta de contextos arqueológicos que possibilitem a obtenção de mais informação para o estudo da forma de funcionamento e cronologias destas estruturas rupestres, aliada à escassa informação documental são as principais limitações para a sustentação de propostas cronológicas e funcionais.

Miguel Moreira

Sem comentários:

Enviar um comentário