sexta-feira, 20 de julho de 2018


MEMÓRIA PAROQUIAL DE CARVALHO DE REI (1758)

Terá sido a capela de Nossa Senhora do Castelo a primeira Igreja Matriz de Carvalho de Rei? 
Fontanário (Castelo - Carvalho de Rei)
A acreditar neste documento assinado por Gonçalo Nunes Veloso, vigário de Carvalho de Rei em 1758, é muito provável que sim. Uma pia batismal serve ainda de base a um fontanário situado muito próximo da referida capela, o que demonstra que aí se efetuavam batismos. Esta é uma das curiosidades da Memória Paroquial de Carvalho de Rei que hoje publicamos.
Também interessante é saber que o culto a Nossa Senhora do Castelo é muito antigo e que os devotos das paróquias vizinhas romavam a esta ermida, no dia de santo António, com os seus clamores, como ainda hoje o fazem.
Como curiosidade, o padre Gonçalo Nunes Veloso (1691-1762), que assina o documento, era natural da freguesia de Gondar, onde mandou erigir a capela de Santo António na quinta da Saída.

Passamos a transcrever, na íntegra, o texto da Memória Paroquial (1758):

“Relação do que há na freguesia de São Martinho de Carvalho de Rey.
1- He esta freguesia cita no distrito de Entre Douro e Minho, na Comarca de Villa Real, do Arcebispado de Braga, no concelho de Gestasso, e tão bem pelo secular na Comarca de Guimarães.
2- He Sua Magestade Fidelissima Senhor do dito concelho de Gestasso, são as justiças do mesmo concelho feitas por eleição que ao mesmo vem fazer o Douto Corregedor da villa de Guimarães de três em três anos, a qual se faz com adjuntos das pessoas principais do mesmo concelho que servem de pautas.
3- Tem esta freguesia sinquenta e dous fogos, pessoas de sacramento cento e trinta e duas, menores dezanove e absentes catro.
4- Esta a dita freguesia cituada no alto de hua cerra áspera, donde se avista a do Marão e outros vários montes que ocultam muitos lugares e freguesias. Do adro desta freguesia se descobre a cerra de Santa Catarina junto a Guimarães e parte da da Falperra junto a Braga que dista desta nove legoas e daquella sinco.

Igreja Matriz de Carvalho de Rei - Amarante
5- Tem esta freguesia o Lugar de Carvalho de Rey ao pé do qual em distancia de dous tiros de espingarda está a Igreja Matriz, na qual está a residência do Parocho; tem tambem o lugar do Castello, que dista da Igreja Matriz hum bom quarto, o lugar de Perredondo, e da Guarda e de Paredinhas. Parte esta freguesia pella parte do Sul com o Bispado do Porto, da parte do Nascente parte com a freguesia de São Mamede de Bostelo e do Norte com a de Santa Maria de Gondar.
7- O santo do orago desta freguesia he São Martinho que está no Altar Mayor, tem esta igreja mais dous altares colaterais, hum da parte do Evangelho, que tem a imagem do Menino Jesus e a de São Sebastião, e o da parte da Epístola que tem a imagem de Nossa Senhora do Rozario.
Não tem a Igreja mais do que hum arco entre a capella mayor e o corpo da Igreja; não tem Irmandades, mais do que esmollas que os moradores juntão para alguns festeijos dos santos.
8- O Parocho desta igreja he vigário colado, he apresentação da dita vigagaria do Reytor de Santa Maria de Gondar, donde he esta anexa capella comenda de que he comandador o Excelentíssimo Conde do Redondo; rende esta esta igreja para o Parocho cento quarenta e sinco mil reys.
9- Não tem esta igreja beneficiados, nem conventos, Hospitais, nem Casa de Misericórdia tem esta freguesia.
Ermida de Nossa Senhora do Castelo - Carvalho de Rei
13- Tem esta freguesia huã Ermida no lugar do Castello com a imagem de Nossa Senhora, ainda que esta próxima do dito lugar em distância de dous tiros de espingarda e oculta com a cabeça de hum monte que está entre ella e o mesmo lugar, he antiquíssima a mesma ermida e dizem fora em algum tempo Igreja Matriz, e ainda nella se conserva huã pia baptismal, pertence a fabrica della ao Comendador assima dito. Em dia de Santo António  concorre à dita capella vários povos com suas procissões, como são as freguesias de Santa Maria de Gondar, Bostelo, S. Salvador de Lufrei e de S. João de Gatão a visitão. E os da freguesia de S. Simão, do bispado do Porto, fazem o mesmo em huã das oitavas do Espírito Santo, e as mais quando as move a devoção.
15- Os frutos que costuma frutificar a terra da sobredita freguesia são milhão, senteio, trigo, milho alvo, painço e feijão, mas de tudo isto pouco por ser terra montanhosa e de aver muy frio e muyta neve em alguns meses do anno por confrontar com a cerra do Marão; he muy abundante de gestas e de tojo para alimentação e sustento dos animais que os comem.

Espigueiros no lugar do Castelo - Carvalho de Rei
Da parte do nascente confronta com hum vale que desce da cerra para bayxo onde o rio que vem de Carneyro chamado a Reboreda, cujo vale em alguns tempos do anno sustenta javalizes, lobos, raposas, coelhos, perdizes, mas poucas escapam naquele citio a huãs aves de rapina a que chamão milhafres. He este vale muyto montanhoso...
Tem este vale em si huã cova chamada a Lagoa do Beyrão cujas possas cobrem três penedos e na entrada da dita cova pode entrar hum homem a cavallo, o fim della não se descobre pela escuridade que na entrada o oculta.
16- O concelho de Gestasso donde está esta freguesia tem Juiz Ordinário que se elege com a Câmara pelo povo.
18- Não há memória que nesta freguesia florescessem homens insignes em letras ou armas ou virtudes.
Dista esta freguesia da cidade de Braga cabeça do Arcebispado Primaz nove legoas e da capital do Reyno Lisboa sessenta legoas pouco mays ou menos.
Esta freguesia de Carvalho de Rey está no alto do monte chamado do mesmo nome da freguesia. Da parte do sul parte com a cerra que he do bispado do Porto com que confina; tem a freguesia huã legoa pouco mays ou menos de comprido e de largo mais de outra. Não tem rios, so sim agoas pluviais  que descem dos montes...


Lugar do Castelo - Carvalho de Reio
Nesta freguesia se cria gado a saber vacas, cabras, ovelhas, mas pouca quantidade pelo áspero e pobreza da freguesia. Tambem se criam nos montes della coelhos, perdizes e algumas lebres.
Tem esta freguesia um pizão em hum ribeyro que esta junto ao lugar da Guarda, onde nos meses de inverno por juntar alguma agoa se pisam mantas para o uso dos labradores.”
Com o que refiro assima declaro o que posso dizer desta freguezia de Carvalho de Rey e aos mais interrrogatórios que se pede não tenho que responder.

Carvalho de Rey de Março 15 de 1758
O Vig.º  Gonçallo Nunes Velloso
Miguel Moreira