quinta-feira, 12 de novembro de 2015

CASTELO (CARVALHO DE REI)

a magia de uma aldeia

Subir ao Castelo, libertar-se e deixar-se guiar pelos sentidos até ao horizonte do olhar, é uma sensação indescritível que todos os amarantinos deveriam experimentar. Deambulando por entre os rochedos do seu cume temos a sensação de pisar solo sagrado, de estarmos mais próximos do céu que da terra.


Castelo - Carvalho de Rei

Pela sua implantação destacada na paisagem, o local permite-nos um amplo domínio visual, atingindo uma área que vai dos cumes do Marão e do Alvão às longínquas terras do Vale-do-Sousa.



Gondar - Amarante

Localizado sensivelmente a meia encosta na serra da Aboboreira, o lugar do Castelo está associado às diversas fases da ocupação humana em território amarantino: bem perto, na Aboboreira, abundam exemplos do megalitismo; da época castreja há vestígios do importante e estratégico “castro” edificado pelos Celtas e, mais tarde, romanizado; ao seu redor desenvolveu-se um importante povoado que, com a edificação de uma ermida, se transformou num importante local de culto.
Nossa Senhora do Castelo teve, ao longo da sua história, uma importante romaria que congregava a população de muitos locais próximos e longínquos, conforme atestam as Memórias Paroquiais de 1758. O seu culto está associado a uma lenda que refere o aparecimento de Nossa Senhora numa pequena queda de água existente no local. 



Capela de Nossa Senhora do Castelo

A capela foi recentemente remodelada, restando da antiga estrutura apenas o campanário e a pia baptismal que serve agora de base a um fontanário. A bica do mesmo parece tratar-se de uma estela funerária, atribuível ao período romano e terá, segundo informação local, uma inscrição na parte de trás. Também do período romano, encontra-se no Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, uma ara consagrada a Júpiter Óptimo Máximo, encontrada no local. Esta sacralidade pagã parece ter sobrevivido ao Cristianismo, mantendo-se viva nas procissões ou clamores que todos os anos se realizam no primeiro domingo de Julho. 
Por último, o Castelo fica próximo de Chãos de Infesta onde se crê existirem três necrópoles distanciadas entre si no tempo por alguns milénios. É provável que haja alguma relação entre estes dois sítios, que só seria possível averiguar através de uma investigação mais intensiva que incluísse também algumas campanhas de escavações arqueológicas.


Miguel Moreira



Sem comentários:

Enviar um comentário